Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Centenas em protesto exigem mais recursos para hospital de Setúbal

População mobilizou-se à porta do Hospital de São Bernardo.
Catarina Cascarrinho e Ana Maria Ribeiro 19 de Janeiro de 2022 às 08:44
Cerca de duas centenas de pessoas protestaram à porta do hospital contra a falta de pessoal médico
Populares juntaram-se ao coro de protestos que mobilizou três municípios
Cerca de duas centenas de pessoas protestaram à porta do hospital contra a falta de pessoal médico
Populares juntaram-se ao coro de protestos que mobilizou três municípios
Cerca de duas centenas de pessoas protestaram à porta do hospital contra a falta de pessoal médico
Populares juntaram-se ao coro de protestos que mobilizou três municípios
Cerca de duas centenas de pessoas reuniram-se esta terça-feira à porta do Hospital de São Bernardo, em Setúbal, para exigirem a reclassificação daquela unidade de saúde e a contratação de mais médicos de família e de enfermeiros para assegurarem os serviços, que dizem estar “à beira da rutura”.

Ao CM, o presidente da Câmara de Setúbal admitiu que a situação é “muito crítica” e que “já foi enviada uma carta ao primeiro-ministro, que terá passado a informação à ministra da Saúde, Marta Temido, que nada fez”. “É urgente contratar mais pessoal médico e dar melhores condições remuneratórias aos médicos mais jovens, que não estamos a conseguir fixar neste hospital”, explicou o autarca André Martins.

A vigília foi marcada pelo Fórum Intermunicipal da Saúde, que reúne os municípios de Setúbal, Sesimbra e Palmela (servidos pelo hospital) representantes das comissões de utentes e representantes sindicais, mas que mobilizou outras forças locais. À porta da unidade juntaram-se corporações de bombeiros, o INEM e até um grupo de motards de Setúbal, para chamar a atenção para o que dizem ser a “perda de capacidade assistencial” do hospital.

Em outubro do ano passado, 87 médicos – incluindo o diretor clínico do Centro Hospitalar de Setúbal (CHS) – pediram a demissão, alegando que o CHS estava em rutura “nos serviços de urgência, nos blocos operatórios, na oncologia, na maternidade e anestesia”.

Apenas 160 vagas foram ocupadas
O Ministério da Saúde anunciou esta terça-feira que, do total de 235 vagas disponibilizadas no concurso da segunda-época de 2021 em todo o País, foram ocupadas apenas 160. Segundo o gabinete de Marta Temido, os lugares ocupados vão dar médico de família a 300 mil pessoas. No final do ano passado havia mais de 1,1 milhões de utentes sem médico de família.
Setúbal Hospital de São Bernardo Marta Temido CHS saúde política autoridades locais
Ver comentários