Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

Costa acredita que segundo mandato de Guterres inaugura nova era de esperança na ONU

Para o atual líder do executivo português, a reeleição de António Guterres "para o mais alto cargo internacional é um motivo de orgulho para todos os portugueses".
Lusa 18 de Junho de 2021 às 11:39
Costa sublinhou “regresso” dos EUA
Costa sublinhou “regresso” dos EUA FOTO: Kenzo Tribouillard/reuters
O primeiro-ministro considerou esta sexta-feira que a reeleição de António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas constitui um motivo de orgulho para os portugueses e acredita que o seu segundo mandato poderá inaugurar "uma nova era de esperança".

Estas posições foram transmitidas por António Costa na sua conta oficial da rede social Twitter, horas antes de a Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, proceder à votação da recomendação unânime do Conselho de Segurança para a recondução do antigo primeiro-ministro português (1995/2002) no cargo de secretário-geral da ONU.

Para o atual líder do executivo português, a reeleição de António Guterres "para o mais alto cargo internacional é um motivo de orgulho para todos os portugueses".

"Desejo-lhe as maiores felicidades e estou certo de que António Guterres continuará a prestigiar Portugal", refere António Costa.

Na sua mensagem, António Costa assinalou as circunstâncias difíceis em que o secretário-geral das Nações Unidas exerceu o seu primeiro mandato, dizendo que "soube defender a ONU, através do poder da palavra e do exemplo".

Segundo o primeiro-ministro português, "estão agora reunidas as condições para um segundo mandato" de António Guterres "que poderá inaugurar uma nova era de esperança, com solidariedade e cooperação internacional".

"António Guterres é o homem certo no cargo certo, e contará, como sempre, com o apoio de Portugal, em especial na ação climática, na luta contra a pandemia, na defesa dos direitos humanos, no combate às desigualdades económicas e na construção de um mundo com mais diálogo e paz", acrescenta.

António Costa António Guterres ONU Portugal política organizações internacionais
Ver comentários