Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Declarações da professora de teatro levam escola do menino morto após toma da vacina Covid-19 a abrir processo interno

Rodrigo morreu no passado domingo após dar entrada no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.
Correio da Manhã 19 de Janeiro de 2022 às 12:57
Menor era aluno do 1º ano na EB1 São João de Deus
Menor era aluno do 1º ano na EB1 São João de Deus FOTO: Tiago Sousa Dias
A Associação de Pais e Encarregados de Educação da EB1 São João de Deus, estabelecimento frequentado pelo menino de 6 anos que morreu após receber a vacina contra a Covid-19, expressou esta quarta-feira as condolências pela morte da criança e confirmou a abertura de uma averiguação interna sobre as declarações da professora de teatro de Rodrigo.

Numa publicação na rede social Facebook, o grupo refere que as informações divulgadas nas redes sociais pela professora de teatro "não representam a posição da APEE", uma vez que a colaboradora em causa leciona uma atividade extracurricular de apenas uma hora à turma do menino. O estabelecimento acrescenta ainda que as mesmas informações "não condizem com os factos apurados até à data pela direção desta associação", confirmando a existência de um processo de averiguação interna.

"Esta criança passou a semana pálido e cheio de olheiras e a respirar mal. Esta criança disse-me "ando cansado desde que tomei a vacina", escreveu Liliana Leite, professora de teatro, num post no Facebook, acrescentando: "É a minha terceira criança que passa mal com vacina".

A Diretora do Agrupamento de Escolas Filipa de Lencastre revelou à CMTV que foi disponibilizado apoio psicológico para os pais da criança, assim como para os restantes pais. A professora que acompanhava o menino com regularidade revelou ainda à Diretora do Agrupamento que Rodrigo se encontrava "bem" na semana anterior à sua morte.

A autópsia à criança de seis anos que morreu no Hospital Santa Maria, em Lisboa, está concluída, mas são necessários exames complementares, cujas conclusões só deverão ser conhecidas dentro de um mês, segundo o Instituto Nacional de Medicina Legal.
Ver comentários