Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

DGS diz não ter competência para tirar casal marroquino retido no Aeroporto de Lisboa

Família saiu de Casablanca, em Marrocos, apenas com o teste antigénio de deteção da doença realizado.
27 de Outubro de 2021 às 17:55
Roupa da família marroquina e outros objetos pessoais no aeroporto de Lisboa
Roupa da família marroquina e outros objetos pessoais no aeroporto de Lisboa FOTO: Direitos Reservados

A DGS revelou que não tem competência para retirar do Aeroporto de Lisboa um casal marroquino, e o filho bebé de 3 meses, que ali se encontram desde sexta-feira, 22 de outubro, por terem testado positivo à Covid-19.

A informação foi confirmada ao CM por fonte oficial da Direção-Geral de Saúde.

Tal como o CM noticiou na terça-feira, esta foi a segunda situação do género ocorrida no espaço de apenas uma semana. A família saiu de Casablanca, em Marrocos, apenas com o teste antigénio de deteção da doença realizado.

A fonte oficial da DGS contactada pelo CM disse que o casal e o bebé de 3 meses seguiam para o Canadá, que exigem a realização de testes PCR de deteção da doença a quem requer entrada naquele país. A família realizou esse exame, que acusou positivo.

O protocolo da prevenção da Covid-19 no aeroporto foi logo acionado, e as três pessoas colocadas numa sala da zona internacional do Aeroporto.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras emitiu, no mesmo dia, os vistos necessários para que a família fosse transportada para o local designado de confinamento, a Base Militar do Alfeite.

No entanto, cinco dias depois da decisão de confinar provisoriamente a família marroquina, a mesma continua esta quarta-feira no Aeroporto.

Segundo a DGS, a decisão de a retirar do local "passa por várias entidades como o Ministério dos Negócios Estrangeiros, ou a própria embaixada de Marrocos".

DGS Marrocos Aeroporto de Lisboa Covid-19 questões sociais política direitos humanos
Ver comentários