Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
7

Groundforce sem condições para "acorrer a todas as exigências", diz Alfredo Casimiro

Pedido de insolvência levou fornecedores a pedirem o pagamento antecipado ou a pronto.
Lusa 14 de Maio de 2021 às 12:17
Alfredo Casimiro, líder da Groundforce
Alfredo Casimiro, líder da Groundforce FOTO: Direitos Reservados
A Groundforce diz que o pedido de insolvência levou fornecedores a pedirem o pagamento antecipado ou a pronto, e que a empresa "não tem condições para acorrer a todas as exigências sem pôr em risco outras responsabilidades".

Numa comunicação aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, o presidente do Conselho de Administração da Groundforce, Alfredo Casimiro, diz que se começam a sentir "os primeiros impactos" do pedido para declaração de insolvência da SPdH (Groundforce), apresentado pela TAP (acionista com 49,9%), enquanto credora, na passada segunda-feira.

"Além de uma chuva de pedidos de esclarecimento, vários [fornecedores] informaram-nos que nos suspenderiam fornecimentos adicionais exceto se a Groundforce pagasse antecipadamente ou a pronto (ou saldasse toda a dívida já vencida)", refere o administrador e acionista maioritário da empresa de 'handling' (assistência nos aeroportos).

Segundo Alfredo Casimiro, "a Groundforce não tem condições no curto prazo para acorrer a todas as exigências dos seus fornecedores sem pôr em risco outras responsabilidades".

"Assumimos um compromisso com os trabalhadores para o mês de maio e tudo faremos para o cumprir. Não escondo que este pedido para declaração de insolvência não contribui em nada para esse objetivo porque não poderemos evitar algumas saídas de caixa para manter a operação", acrescenta o empresário.

Na comunicação enviada esta sexta-feira aos trabalhadores, Alfredo Casimiro lembra que "a Groundforce não opera sem alguns dos seus fornecedores críticos", e, por isso, "há fornecedores para os quais não podemos de todo deixar de cumprir as exigências financeiras que nos venham a colocar (e que alguns já colocaram e tivemos que cumprir). A suspensão do respetivo fornecimento implicaria falhas na segurança ou mesmo a impossibilidade de assistir os nossos clientes".

Para o presidente do Conselho de Administração, "é perfeitamente normal que, perante um pedido para declaração de insolvência de uma empresa, os fornecedores dessa empresa (que são credores) duvidem da sua capacidade de honrar futuras responsabilidades e cortem o fornecimento ou exijam o respetivo pagamento".

Alfredo Casimiro considerou que "seria surpreendente [...] alguém pensar que este pedido para declaração de insolvência não teria qualquer impacto, para mais com a forma pública como foi anunciado".

Na comunicação a que a Lusa teve acesso, fica ainda "uma palavra de serenidade e de agradecimento" aos trabalhadores, que possibilitam que a empresa continue "a operar com absoluta normalidade".

Na segunda-feira, a TAP requereu, na "qualidade de credora", a insolvência da SPdH - Serviços Portugueses de Handling, S.A. (Groundforce) "junto dos Juízos de Comércio de Lisboa do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa", disse a companhia, em comunicado.

A transportadora justificou que o objetivo da ação passa por, "se tal for viável", salvaguardar "a viabilidade e a sustentabilidade da mesma, assegurando a sua atividade operacional nos aeroportos portugueses".

Groundforce Alfredo Casimiro economia negócios e finanças economia (geral) transportes aviação trabalho
Ver comentários