Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
7

Hospital de Santarém esclarece que alargou horário das visitas de cinco para seis dias

Horário foi alargado numa tentativa de normalizar os procedimentos.
Lusa 24 de Novembro de 2021 às 16:26
Hospital de Santarém
Hospital de Santarém FOTO: Vitor Neno
O Hospital Distrital de Santarém (HDS) esclareceu esta quarta-feira que a alteração nos horários das visitas a doentes internados representa um alargamento de cinco para seis dias, não existindo uma restrição.

Em esclarecimento enviado à Lusa, o HDS afirma que, ao contrário do noticiado pela Lusa na terça-feira, o novo horário de visitas, de terça-feira a domingo, entre as 14h00 e as 19h00, com marcação prévia, não representa uma restrição, alargando antes o que estava em vigor, de cinco para seis dias, "na tentativa de normalizar os procedimentos".

"O HDS está atento ao evoluir da pandemia e adequará o horário das visitas em função do desenvolvimento da mesma", afirma.

A Lusa noticiou terça-feira a alteração dos horários das visitas a partir desse dia, constantes de uma nota publicada na página do HDS, a qual dava conta do novo horário, de terça-feira a domingo entre as 14h00 e as 19h00, sujeito a marcação prévia.

"Nos dias de visita é apenas permitida uma visita por doente internado, tendo cada visita a duração máxima de 30 minutos. Os únicos doentes que permanecem sem visitas em enfermarias são os doentes covid-19, salvo situações excecionais e devidamente justificadas", lê-se na nota.

Segundo a mesma informação, as visitas estão "sujeitas a horário fixo e pré-definido, consoante o quarto de internamento e a respetiva cama", sendo que, "para os doentes que ocupam o mesmo quarto, as visitas serão desfasadas no horário" e não é permitido o acesso a outros pisos nem visitas a outros doentes, "ainda que no mesmo piso".

Os visitantes devem apresentar-se 30 minutos antes do horário de visita e respeitar as "regras de segurança recomendadas pela Direção-Geral da Saúde, nomeadamente a desinfeção das mãos, o distanciamento físico, o uso de máscara, a apresentação de certificado digital covid ou teste de antigénio com resultado negativo inferior a 48 horas", acrescenta.

A covid-19 provocou pelo menos 5.165.289 mortes em todo o mundo, entre mais de 258,29 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.370 pessoas e foram contabilizados 1.130.370 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Ver comentários