Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Ópticas, oficinas, cabeleireiros e lojas: todas as regras para o início da atividade do comércio

Pequeno comércio reabre já esta segunda-feira com regras bastante apertadas e diferentes do que estávamos habituados.
Correio da Manhã 3 de Maio de 2020 às 01:30
Lisboa vazia devido ao coronavírus
Lisboa deserta devido à crise do coronavírus
Lisboa vazia devido ao coronavírus
Lisboa deserta devido à crise do coronavírus
Lisboa vazia devido ao coronavírus
Lisboa deserta devido à crise do coronavírus

ÓTICAS 
- Permitir a entrada apenas de um cliente por cada 20 m2 de área do estabelecimento;
- Além da máscara obrigatória, se possível entregar a cada cliente proteções para os sapatos;
- Colocar gel desinfetante ou álcool na entrada e pedir ao cliente que o utilize;  
- Colocar também um recipiente com tampa e pedal para os clientes colocarem resíduos de produtos utilizados, designadamente a proteção para os sapatos
- Não permitir que esteja mais do que um cliente/paciente em espera ou colocar sinalização no chão para que mantenham a distância mínima de segurança ;

Equipamentos
- Equipamentos que não estiverem a ser utilizados devem ser protegidos por material descartável ou lavável;
- Todos os equipamentos e material utilizados devem ser desinfetados após cada utilização;

Oficinas técnicas
- Uso de luvas, devidamente desinfetadas, ou lavagem das mãos antes e depois de manusear óculos de reparação;
. Desinfetar todo o óculo e lentes antes e depois de manusear o artigo;
- Desinfetar todos os equipamentos, ferramentas e bancada de apoio antes e após a utilização;
Entregar os óculos ao cliente na respetiva caixa de acrílico/box de trabalho; 

Atendimento a clientes
- Quem atende deve usar sempre máscaras;
- Sempre que possível, deve ser mantida a distância de segurança durante a entrega dos produtos;
- Poderão colocar o material a receber e a entregar numa bandeja que será substituída por uma limpa e desinfetada após cada utilização;
- Desinfetar os óculos que o cliente experimentou antes de os voltar a guardar/colocar no expositor;
- Óculos devem ser limpos regularmente com água e sabão e secos com o pano de microfibra de uso específico e exclusivo para o efeito;

Gabinetes
- Gabinete deve ser totalmente higienizado no início do dia, antes da primeira consulta, e o chão limpo após cada consulta;
- Todas as superfícies e instrumentos óticos e optométricos de toque devem ser higienizados no final de cada consulta;

Exames 
- É obrigatório o uso de consumíveis descartáveis, de uso único por paciente, nos diferentes testes optométricos;
Obrigatório o uso de lentes de contacto de ensaio descartáveis, de uso único por paciente;
- É obrigatório o uso de máscara, luvas e viseira ou proteção ocular específica pelo optometrista;

CABELEIREIROS, BARBEIROS E ESPAÇOS DE ESTÉTICA
Medidas para clientes
- Trabalhar apenas por marcação, de forma a garantir um número fixo e um menor número de pessoas dentro das instalações (até ao limite de 5 pessoas por 100 m2);
- Deixar uma cadeira vazia entre duas pessoa a serem atendidas. Afixação na porta de um aviso com a informação deste condicionalismo;
- Não permitir a permanência de pessoas em espera dentro das instalações. Espera, a existir, deve ser no exterior do espaço com distanciamento de dois metros;
- Mesmo não sendo fácil quando estiver a trabalhar num cabelo, manter, tanto quanto possível, os gestos ou a posição do corpo de modo a assegurar a distância;
- Adaptação dos horários de funcionamento dos estabelecimentos (alargar o período de abertura) e criar horários de trabalho diferenciados (organizar a rotação dos colaboradores) de forma a reduzir o número de trabalhadores em simultâneo no estabelecimento; 
- Se possível, manter a porta aberta para minimizar o toque no puxador/manípulos;
- Colocar solução antissética de base alcoólica (gel álcool) à entrada do estabelecimento;
- Interditar cumprimentos que envolvam contacto físico (ex. abraços/beijos/aperto de mão) quer entre os colaboradores, bem como entre estes e os clientes. Cumprimentar apenas por aceno de cabeça ou verbalmente;
- Pedir ao cliente para que seja ele próprio a colocar o seu casaco, chapéu de chuva, etc. no bengaleiro e evitar que o mesmo leve para o estabelecimento sacos de compras;
- Pedir ao cliente que cumpra a etiqueta respiratória: evite tossir ou espirrar para as mãos - deve fazê-lo para a prega do braço com o cotovelo fletido ou cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel;
- Afixar nas instalações sanitárias o folheto da DGS sobre a lavagem correta das mãos
- Afixar no estabelecimento normas de etiqueta respiratória e informação da forma correta de utilizar a máscara;
- Não pode ser oferecida comida, nem café/chá ou outra bebida, mesmo que dispensadas por máquinas de vending. No caso da água, se for mesmo necessário, pode oferecer garrafas pequenas
- As ferramentas de diagnóstico como câmara, tablet, mostruários de cores etc. só podem ser usadas pelo profissional e devem ser desinfetadas após cada utilização; 
- Pedir e informar os clientes para não tocarem nos produtos que estejam à venda;
- Remover os testers;
- Solicitar pagamento preferencialmente através de métodos contactless ou cartão de crédito. Desinfete o teclado ATM com um toalhete de limpeza de base alcoólica. Se for usado dinheiro, usar um tabuleiro (que deverá ser desinfetado com um toalhete de limpeza de base alcoólica) para efetuar o pagamento e dar o troco. Lavar as mãos, antes e após o contacto com dinheiro; 
- Sensibilizar para que os clientes tragam consigo uma máscara, preferencialmente descartável, ou viseira, quando o seu uso não for incompatível com o trabalho a realizar (ex: manicura); 

Medidas para trabalhadores
- Uso de máscara cirúrgica, óculos de proteção ou, de preferência, viseiras;
- Roupa de utilização exclusiva dentro das instalações a vestir lavada diariamente, quando possível trocada entre clientes ou descartável, ou batas descartáveis tipo visitante em não tecido que aperta atrás com fitas no pescoço e na cintura;
- Calçado de uso exclusivo dentro das instalações; 
Cada funcionário deve ter o seu próprio equipamento (secador e escovas, por exemplo) e descontaminá-lo de forma regular e periódica;
- Devem preferir a utilização de materiais laváveis (ex: dar preferência a pentes em relação a escovas); 
- Não partilhar utensílios entre clientes. Caso não seja possível, descontaminar utensílios de uso múltiplo entre clientes (por exemplo: pentes, tesouras, máquinas; de cortar);
- Preferencialmente evitar a utilização desnecessária de utensílios na face do cliente (por exemplo, para remover cabelos). Os utensílios que toquem na face do cliente devem ser devidamente descontaminados antes e depois da sua utilização; 
- Na realização de trabalhos com produtos mais agressivos por inalação/respiração (ex. progressivas) deve ser usada máscara de proteção superior à simples máscara cirúrgica;
- Lavagem ou desinfeção frequente das mãos entre clientes, depois de tocar em dinheiro/cartões de crédito, sempre antes e depois de usar a casa de banho, comer, beber ou sempre que sejam mudadas as luvas, de acordo com as orientações da DGS;
- Não usar adornos tipo pulseiras, relógios e anéis;
- Quanto às unhas evitar as unhas de gel, gelinho e unhas compridas que impedem os profissionais de higienizar adequadamente as suas mãos;
- Manter a distância de segurança também na zona de descanso do salão;

Higienização de materiais
- Aumentar a periodicidade de higienização de todo o espaço de trabalho utilizado; 
- Desinfeção dos óculos ou da viseira de proteção após cada cliente;
- Utilizar de preferência material descartável de utilização única;
- Quando o material não for de utilização única (escovas, tesouras, pentes, limas e blocos polidores de unhas, etc.) deve-se proceder à sua lavagem após cada utilização, pode ser usado detergente da louça, seguido de desinfeção (com produtos virucidas ou álcool a 70%);
- O material de manicura cortante e as tesouras de corte de cabelo para além de lavado e desinfetado deve ser esterilizado de preferência por sistema a quente (temperatura acima dos 60º C);
- Elementos como cabo dos secadores, cadeiras, calhas de lavagem e outros utensílios de uso comum a várias pessoas devem ser desinfetados com álcool a 70% ou com toalhetes humedecidos entre utilização por cada cliente a atender;
- Deverão existir no mínimo dois caixotes de lixo com tampa acionada a pedal revestido a saco de plástico (um para resíduos urbanos outro para equipamentos de proteção individual); 
A roupa de trabalho, as toalhas e os penteadores não descartáveis serão, após terem sido usados por um único cliente, colocados em saco destinado apenas à sua recolha fechado até serem lavados na máquina de lavar roupa com recurso a desinfetante (lixivia) e a temperatura superior a 60º;

STANDS E OFICINAS
Atendimento a clientes
- Deve limitar-se, ao máximo, a troca ou partilha de objetos e ferramentas entre colaboradores, os quais também devem ser desinfetados após cada utilização;
-As zonas de passagem e contacto comuns devem ser frequentemente desinfetadas com uma solução à base de álcool;
- Deverá ser estabelecido um procedimento de higienização e limpeza relativo a viaturas de serviço, com especial destaque para as que possam ser partilhadas por vários utilizadores ou que envolvam o transporte de várias pessoas; 
- Sempre que exista alteração de ocupantes/utilizadores, deverá ser efetuada uma higienização prévia à nova utilização, com especial ênfase nos normais pontos de contacto (volante, comandos, puxadores, manetes, entre outros);
- A entrega dos veículos a clientes respeitará igualmente a distância de segurança entre pessoas, devendo o veículo ser devidamente desinfetado pelo funcionário;
- Todos os serviços rececionados devem ter sido previamente agendados através dos meios de contacto à distância;
- Envio de orçamentos, aprovação de ordens de reparação, pagamentos e envio de faturas devem ser efetuados à distância;
- Viaturas de serviços de urgência médica e de outros serviços de utilidade pública, bem como as de transporte de mercadorias essenciais, devem ter prioridade no agendamento e atendimento;
- O depósito de viaturas e chaves na oficina deve fazer-se no exterior, sempre que as condições físicas da oficina o permita, nos horários previamente acordados;
- A intervenção nos automóveis deve iniciar e terminar com a desinfeção de todos os pontos frequentes de contacto físico: chaves, portas, puxadores, volantes, travão de mão, manete das mudanças e manípulos de instrução internos;
- Durante a intervenção na viatura, deve utilizar-se material descartável de proteção de bancos, volantes, manipulo de travão de mão e das manetes de mudanças;
- A realização de testes de estrada ou demonstração de veículos deverá limitar-se ao indispensável, sendo o cliente a exigi-lo. Neste caso, apenas são permitidas duas pessoas no veículo, uma na dianteira, outra na traseira, com o uso de máscaras. O veículo deverá ser posteriormente desinfetado ou colocado em quarentena;

REGRAS DE PROTEÇÃO
COMÉRCIO

Circulação
- Portas abertas para evitar contacto com esta ou com maçanetas e promover o arejamento dos espaços;
- Gerir acessos para evitar a concentração de pessoas à entrada ou espera no interior com distanciamento de dois metros; 
- Interditar formas de cumprimento que envolvam o contacto físico; 
- Afixar regras de etiqueta respiratória em português e inglês;
- Transportadoras devem aguardar até nova ordem para descarregar mercadoria. Trabalhadores designados para a receção têm de desinfetar as embalagens;
- Evitar interação como a recolha de assinaturas nas entregas;

Distanciamento
- Máximo de 5 clientes por cada cem metros quadrados;
- Distância mínima de dois metros; 
- Permanência das pessoas nas lojas apenas pelo tempo necessário à aquisição dos bens; 
- Organizar a entrada de clientes, colocando, se possível, marcas de distanciamento no chão que assinalem distância mínima nas filas de atendimento, pagamento ou acesso ao estabelecimento; 
- Reorganizar mobiliário, nomeadamente estantes e vitrinas para facilitar a circulação; 
Remover elementos físicos de potencial contacto com os clientes que não sejam indispensáveis à atividade ; 
Se possível, usar portas separadas para a entrada e saída, evitando o cruzamento entre as pessoas ou definir percursos de entrada e de saída; 
- Manter a distância de segurança em zonas de pausa; refeitórios, sanitários, etc;

Proteção individual
- Disponibilizar máscaras ou viseiras para todos os trabalhadores; 
- Informar os clientes sobre a obrigatoriedade do uso de máscara ou viseira e impedir a entrada de quem não o faça; 
Disponibilizar obrigatoriamente soluções de base alcoólica / álcool-gel, para profissionais e clientes, em todas as entradas e saídas dos estabelecimentos, assim como, no seu interior (1 dispensador por cada 100m2 no mínimo); 
- Disponibilizar toalhetes de papel para secagem das mãos, nas instalações sanitárias; 
Afixar nas instalações sanitárias o folheto da DGS sobre a lavagem correta das mãos;

Ventilação
- Assegurar uma ventilação adequada em todos os espaços, garantindo o arejamento natural dos locais de trabalho; 
- Em espaços fechados, as portas ou janelas devem estar abertas para manter o ambiente limpo, seco e bem ventilado, ou caso tal não seja possível, deve assegurar-se o funcionamento eficaz do sistema de ventilação;
- Nos espaços com sistema de ventilação , o mínimo de 6 renovações de ar por hora;
- Em caso de utilização de um sistema de ventilação de ar forçado, assegurar-se de que o ar é retirado diretamente do exterior, não devendo ser ativada a função de recirculação do ar; 
Limpar e desinfetar periodicamente os sistemas de ventilação e ar condicionado; 
Manter a função de desumidificação, do sistema de ventilação e ar condicionado desligada; 
Reforçar a desinfeção do reservatório de água condensada e da água de arrefecimento das turbinas do ventilador;

Limpeza
- Limpeza e desinfeção frequente dos espaços, equipamentos, objetos, utensílios e superfícies, designadamente instalações sanitárias, espaços de prova, mobiliário, pavimentos, portas, vitrinas, mostradores, ferragens, cabides e máquinas dispensadoras;
- Limpeza e desinfeção, após cada utilização ou interação, dos terminais de pagamento automático (TPA) e de outros equipamentos, objetivos e utensílios em contacto direto com o cliente ou utilizados para o seu atendimento; 
- Utilização de detergentes de base desinfetante que cumpram requisitos da DGS;
-Adoção de um sistema de registo da limpeza com identificação das pessoas responsáveis, bem como a frequência com que é realizada;

Atendimento prioritário
- Para além das regras de atendimento prioritário já existentes, passam a estar abrangidos: pessoas acima de 70 anos, pessoas com doenças crónicas (doença cardíaca, pulmonar, diabetes, neoplasias ou hipertensão arterial, entre outras), pessoas com compromisso do sistema imunitário (a fazer tratamentos de quimioterapia, tratamentos para doenças auto-imunes (artrite reumatoide, lúpus, esclerose múltipla ou algumas doenças inflamatórias do intestino), infeção VIH/sida ou doentes transplantados e profissionais de saúde, elementos das forças e serviços de segurança, de proteção e socorro, pessoal das forças armadas e de prestação de serviços de apoio social;

Horários
Privilegia-se uma adaptação dos horários que permita, no geral, menores fluxos de circulação e de atendimento ao público; 
- Os horários de trabalho devem ser diferenciados no sentido de organizar a rotação dos colaboradores, de modo a reduzir o número de trabalhadores em simultâneo no estabelecimento;

Livro de reclamações
- Se for pedido o livro em papel, o comerciante deve informar o consumidor de que a reclamação pode ser submetida através da plataforma online www.livroreclamacoes.pt;
- Se o cliente insistir no papel, o operador económico deve informá-lo de que, antes de efetuar a reclamação, deve desinfetar as mãos ou colocar luvas para o efeito e assegurar-se de que a higienização é efetuada antes e após a colocação das mesmas após o preenchimento, o comerciante deve entregar o duplicado ao reclamante, o qual deve desinfetar as mãos novamente;

Dispensa, manuseamento e pagamento de produtos
- Deve garantir-se contenção, tanto quanto possível, do contacto pelos clientes em produtos ou equipamentos, bem como em artigos não embalados, os quais devem preferencialmente ser manuseados e dispensados pelos profissionais após lavagem rigorosa das mãos; 
- Controlo no acesso a vestiários, ou espaços de prova em estabelecimentos de pronto-a-vestir;
- Desinfeção imediata de provadores após uso e disponibilização de álcool-gel para uso pelos clientes antes da entrada nos mesmos; 
- Após a prova os produtos devem ser separados, não devendo ser colocados novamente em expositor antes de decorrido um período superior ao número de horas de sobrevivência do coronavírus; 
- Deve ser dada preferência ao pagamento por cartão ou outro método eletrónico, em particular contactless, evitando-se o pagamento em numerário; 
- No caso de devolução de produtos, deve fazer-se a sua desinfeção;

DGS saúde questões sociais epidemias e pragas regresso normalidade pequeno comércio coronavírus covid-19
Ver comentários