Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Pessoas já se reúnem em grupos e têm mais dificuldade em adotar medidas para evitar contágios Covid-19

Inquérito da Escola Nacional de Saúde Pública revela um aumento do número de inquiridos que diz ter estado num grupo com mais de 10 pessoas.
Lusa 13 de Abril de 2021 às 13:40
Esplanadas vão ser fiscalizadas para evitar travão no desconfinamento
Esplanadas vão ser fiscalizadas para evitar travão no desconfinamento FOTO: Tiago Sousa Dias
Um inquérito da Escola Nacional de Saúde Pública revela um aumento do número de inquiridos que diz ter estado num grupo com mais de 10 pessoas e aponta maiores dificuldades na adoção de medidas de proteção contra a covid-19.

Os dados do Barómetro Covid-19 sobre as perceções sociais da doença foram divulgados pela investigadora e diretora da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa na reunião no Infarmed, em Lisboa, para analisar a situação epidemiológica do país que junta especialistas, o Governo, o Presidente da República.

"Em relação ao comportamento e como também já foi identificado noutras análises no último mês observa-se uma alteração de comportamentos nos quatro indicadores que nós temos mensurado", disse a investigadora salientando que, entre 19 de março a 02 de abril, o número de pessoas que respondeu ter estado num grupo de 10 ou mais pessoas subiu de 4,9% para 7,5%.

Para 33,3% dos inquiridos, foi também difícil ou muito difícil ficar em casa, mais 5,6% que na última quinzena.

As pessoas também reportaram maior dificuldade de adoção de medidas de proteção contra a covid-19, com 41,5% dos inquiridos a dizer ser "difícil" ou "muito difícil" evitar visitar amigos e familiares, mais 7,1% relativamente à quinzena anterior.

Os valores reportados acerca da utilização da máscara sofreram também um aumento no mesmo período, com 14,5% a apontar "dificuldade" ou "muita dificuldade" na adoção desta medida, mais 7% face ao período homólogo.

Carla Nunes destacou também o aumento de 7,7% das pessoas que afirma ter sido "difícil" ou "muito difícil" manter o teletrabalho, situando-se nos 42,4%.

"Embora estes dados não revelem alterações drásticas no padrão de resposta, sugerem, ainda assim, uma maior dificuldade dos respondentes em manter a adoção de medidas de proteção num período em que estas são particularmente importantes, já que estarão a aumentar os contactos e as circunstâncias em que estão em risco", referem os investigadores.

No que se refere à perceção de segurança e eficácia das vacinas, os resultados não revelam alterações substanciais no padrão de resposta.

Segundo Carla Nunes, a 05 de março, 91% das pessoas afirmavam-se "confiante ou muito confiantes" em relação à segurança e à eficácia da vacina.

Apesar de os resultados não demonstrarem evidência de impacto para o plano de vacinação, os investigadores alertam para o aumento da percentagem de pessoas, de 1,7% para 7,8%, que diz que não tomará a vacina, aproximando-se de valores apenas encontrados em outubro de 2020, quando a informação acerca das vacinas era muito inferior.

Trata-se de pessoas mais jovens, que perderam parte ou a totalidade do seu rendimento, não tomavam vacina da gripe, mostram baixa confiança nos serviços de saúde e nas medidas e consideram a informação das autoridades de saúde pouco clara e inconsistente.

Para os investigadores, é importante desenhar intervenções de comunicação que vão ao encontro deste perfil.

Carla Nunes salientou também que cerca de 10% dos inquiridos está ainda hesitante quanto à toma da vacina, para os quais também é importante disponibilizar intervenções que respondam às suas necessidades e preocupações.

"Em relação à saúde, e nos dois indicadores que temos medido, a perceção do estado de saúde e a frequência com que se tem sentido agitada, ansiosa, em baixo ou triste devido às medidas de distanciamento físico, mantêm-se os padrões recentes, com pequenas oscilações, mas sem tendências relevantes", afirmou.

Assim, adiantou, "continuamos com um em cada quatro portugueses a dizer que se tem sentido agitado, ansioso, triste devido ao distanciamento social e com quase um em cada dois a identificar o seu estado de saúde como mau, muito mau, razoável".

A confiança dos serviços de saúde também não teve alterações, continuando com valores de "pouco ou nada confiante" na ordem dos 22,2% em relação à covid-19 e de 51,7% em relação às outras doenças.

Em relação à perceção das medidas do Governo também não houve alterações com 31,7% a considerar "pouco ou nada adequadas".

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Barómetro Covid-19 Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa saúde
Ver comentários