Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Regresso às aulas depois de "fim de semana para ganhar coragem", diz ministro da educação

Dia fica marcado pela testagem de 300 mil estudantes, professores e funcionários, depois da vacinação de quase 200 mil trabalhadores escolares.
Lusa 19 de Abril de 2021 às 15:50
Tiago Brandão Rodrigues e Marcelo Rebelo de Sousa
Tiago Brandão Rodrigues e Marcelo Rebelo de Sousa FOTO: Rodrigo Antunes/Lusa
O regresso dos alunos do secundário é marcado pela testagem de 300 mil estudantes, professores e funcionários, depois da vacinação de quase 200 mil trabalhadores escolares num "fim de semana para ganhar coragem", anunciou hoje o ministro.

"Foi um fim de semana para ganhar coragem. Tivemos um conjunto muito significativo de quase 200 mil docentes e não docentes a serem vacinados" contra a covid-19, sublinhou o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, no final da visita à Escola Secundária Padre António Vieira, em Lisboa.

A Padre António Vieira foi a escola escolhida pelo ministro da Educação e pelo Presidente da República para marcar o fim do ensino à distância e o regresso dos mais de 300 mil alunos do ensino secundário às salas de aula, uma das medidas previstas para a terceira fase do plano de desconfinamento que começa hoje.

Mais de cinco mil estabelecimentos de ensino públicos e mais de mil privados voltaram a abrir os portões para deixar entrar todos os seus alunos. 

Depois do regresso gradual dos mais novos, hoje foi a vez dos estudantes do secundário desligarem os ecrãs e regressarem à escola, que deixaram em janeiro devido ao agravamento da pandemia de covid-19.

Na Padre António Vieira, para o primeiro dia de aulas presenciais estavam marcados cerca de 600 testes de despistagem à covid-19, segundo números avançados pela diretora do agrupamento, Dulce Chagas.

Uma ação que se repete um pouco por todo o país. Segundo o ministro, arrancou hoje mais uma fase de testes que irá englobar 300 mil alunos, professores e funcionários, para que este regresso seja feito "ainda com mais segurança".

Com a vacinação e testagem "aumenta as camadas de proteção" que já existem através do uso das máscaras e do álcool gel, sublinhou Tiago Brandão Rodrigues.

O receio de contágio foi precisamente a razão apontada por uma das poucas alunas que hoje disse preferir manter-se em ensino à distância. Numa turma com 24 alunos, cinco admitiram que prefeririam continuar em casa, quando questionados pelo Presidente da República, que em conjunto com o ministro visitou a mesma escola.

"É melhor ficar em casa, estamos mais protegidas", defendeu a estudante do 10.º ano, sendo automaticamente contrariada por uma colega que admitiu que "não se consegue aprender tão bem em casa, porque a internet falha e tudo é mais difícil".

Neste debate, Marcelo Rebelo de Sousa e Tiago Brandão Rodrigues acrescentaram algumas razões para a importância da reabertura das escolas.

Além de garantir a qualidade das aprendizagens, também significa para muitos alunos a única oportunidade de ter uma alimentação saudável e de praticar desporto, que são duas medidas essenciais no combate à obesidade.

"Daqui a 20 anos vão perceber que isto faz toda a diferença", prometeu o ministro.

Para demonstrar que as escolas são espaços seguros, Tiago Brandão Rodrigues voltou a lembrar os resultados do programa de despistagem à covid-19, iniciado em janeiro e ainda a decorrer: "Os índices de positividade são de 0,1 a 0,15%, o que é baixíssimo".

Além disso, acrescentou o Presidente da República falando para uma turma do 10.º ano: "Os confinamentos são uma chatice. São uma paragem".

Já em declarações aos jornalistas, o Presidente da República sublinhou a importância da educação para o futuro do país: "Porque é que a abertura das escolas é o primeiro passo (nos planos de desconfinamento)? Porque tudo começa na Educação".

Para Marcelo Rebelo de Sousa, o regresso dos alunos dos ensinos secundário e superior são uma espécie de recomeço.

"Hoje é de novo Primavera", disse, lembrando que também foi "Primavera" quando a 15 de março regressaram às escolas os mais pequenos (desde as creches ao 1.º ciclo) e depois, a 5 de abril, os jovens do 2.º e 3.º ciclo.

 Hoje, mais de cinco mil escolas públicas e mais de mil estabelecimentos privados voltaram ao modelo de ensino presencial com todos os seus alunos.

SIM // ZO

LUsa/fim

Ver comentários