Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Rui Correia é o melhor professor do ano

Docente ganhou um cheque de 30 mil euros para iniciar um projeto educativo.
Francisca Genésio 7 de Maio de 2019 às 01:30
Rui Correia, docente de História
Rui Correia, docente de História
Rui Correia, docente de História
Rui Correia, docente de História
Rui Correia, docente de História
Rui Correia, docente de História
Rui Correia, docente de História
Rui Correia, docente de História
Rui Correia, docente de História
Rui Correia, professor de História na Escola Básica de Santo Onofre, Agrupamento de Escolas de Raul Proença, nas Caldas da Rainha, recebeu esta segunda-feira o prémio do ‘Global Teacher Prize Portugal’ - um galardão que elege o melhor docente do ano.

Esta é a segunda vez que o prémio, conhecido internacionalmente como ‘Nobel da Educação’ é entregue em Portugal.

"Este ano recebemos cerca de 200 candidaturas ao prémio. Chegaram de todos os distritos e dos arquipélagos", explicou ao CM Afonso Mendonça Reis, júri.

Além da distinção, Rui Correia ganhou um cheque de 30 mil euros para iniciar um projeto educativo.

"O que faço consiste em captar a atenção"
CM – Como se sente ao vencer este prémio?
Rui Correia – É uma experiência muito desvanecedora, até porque em grande medida é quase uma excentricidade. Sinto que sou o representante de muitos professores e professoras que trabalham muito bem e, por isso, quero dedicar este prémio quer aos alunos, quer aos muitos professores que tudo fazem para que nenhum aluno fique para trás.
– De que forma o faz?
– Eu não quero dar 15 aulas boas, quero que todas sejam boas. Se eu estiver a falar durante uma hora, tenho a certeza de que nos primeiros 15 minutos a pessoa se desinteressa, porque a distração faz parte da aprendizagem. O que eu faço consiste em captar a atenção.
- Como consegue captar a atenção dos alunos?
– Dou 15 minutos de aula. A seguir, aplico uma tarefa de distração. Depois interrompo o momento e retomo a aula. Desta forma, crio ciclos de atenção e consigo o interesse dos alunos. A distração pode ser, por exemplo, em vez de os deixar colocar o braço no ar para responder a uma pergunta, recorro a um dado de 30 faces.
Ver comentários