Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Sindicato diz que há 200 enfermeiros com vínculo precário em Coimbra

"Instituições veem-se confrontadas com a possibilidade de estes enfermeiros saírem eventualmente para o estrangeiro", alertou sindicato.
Lusa 25 de Fevereiro de 2021 às 16:01
Enfermeiros
Enfermeiros FOTO: Getty Images
O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) revelou esta quinta-feira que cerca de 200 enfermeiros trabalham atualmente com "contratos precários" no Serviço Nacional de Saúde (SNS) no distrito de Coimbra.

Esse número inclui profissionais "com contratos a termo certo e contratos a termo incerto", além de enfermeiros sem qualquer vínculo que prestam serviços ao SNS através dos chamados recibos verdes, disse à agência Lusa Paulo Anacleto, do SEP.

O dirigente falava no final de uma concentração de enfermeiros, à entrada dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC), em que foi reclamada ao Ministério da Saúde a celebração de contratos sem termo com estes profissionais.

Com esse objetivo, os manifestantes dirigiram-se depois ao interior do perímetro dos HUC, polo principal do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), e uma delegação do SEP foi recebida pela enfermeira diretora, Áurea Andrade, a quem entregaram um abaixo-assinado em que "exigem contratos sem termo, estáveis e com direitos" para os trabalhadores da enfermagem "que continuam em situação precária".

Paulo Anacleto disse à Lusa que uma cópia do documento será enviada à ministra da Saúde, Marta Temido, e ao primeiro-ministro, António Costa.

Nestas "condições precárias", segundo o sindicalista, "trabalham atualmente 1.800 enfermeiros em todo o país", sendo 200 no distrito de Coimbra, dos quais 150 nas diferentes unidades que integram o CHUC.

"Destes, há enfermeiros que foram contratados ao abrigo do combate à pandemia da covid-19, no dia 01 de agosto, com contratos de termo certo de quatro meses", afirmou.

Paulo Anacleto disse que, se estes contratos não passarem a definitivos, os profissionais "vão para casa".

"As instituições veem-se confrontadas com a possibilidade de estes enfermeiros saírem eventualmente para o estrangeiro", alertou.

Para o dirigente do SEP, "não faz sentido manter esta precariedade ano após ano", tendo em conta que estes enfermeiros "antes da pandemia já eram necessários".

"Estima-se que, em Portugal, faltam cerca de 30 mil enfermeiros" no Serviço Nacional de Saúde, sublinhou.

Ver comentários