Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Sines cumpriu recolher obrigatório em casa

Durante a manhã, a população saiu à rua e fez compras, mas a partir das 13 horas, os estabelecimentos comerciais encerraram e os habitantes refugiaram-se em casa.
Joaquim Bernardo 14 de Novembro de 2020 às 18:44
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio
População de Sines cumpre recolher obrigatorio

O concelho de Sines cumpriu este sábado, o primeiro dia de recolher obrigatório entre as 13 horas e as 5 horas de domingo.

Durante a manhã, a população saiu à rua e fez compras, mas a partir das 13 horas, os estabelecimentos comerciais encerraram e os habitantes refugiaram-se em casa.

A Guarda Nacional Republicada (GNR) de forma preventiva verificou o encerramento dos estabelecimentos comercias e realizou operações de fiscalização nas principais artérias da cidade.

Os poucos estabelecimentos comerciais que estiveram abertos, como padaria, frutaria e farmácia não tiveram clientes já que a população não arriscou sair do conforto das suas habitações.

No complexo industrial de Sines, o maior do país, foi um dia normal, Terminal XXI, refinaria de Sines e Repsol estiveram a laborar em pleno.

Na rua, a população, principalmente mais idosa, concorda com as medidas. Maria Custódia, de 72 anos, considera que as restrições servem "para evitar abusos". "A mim não me afeta, pois só saí de casa agora de manhã para fazer algumas compras e tomar um café".

Ana Patrícia, de 32 anos, também concorda com as medidas, porque "muitas pessoas não têm cuidado e, para bem de todos, devemos proteger-nos e evitar o contacto com outras pessoas".

"Devemos cumprir todas as regras e não facilitar em nada. Estou muito preocupada com o número de casos em Sines e por isso só saio de casa para fazer compras e trabalhar, porque não quero colocar em risco a minha família".

António Santos, de 54 anos, afirma que "é uma situação muito grave" que nunca pensou "viver". "Temos de ter muito cuidado e respeitar todas as normas. Eu vim agora de manhã ao café, e depois vou para casa. Vamos esperar que passe e que tudo volte ao normal, mas a crise vai ser grande, não tenho dúvidas. O desemprego e a fome vão disparar na região e no nosso país", conclui.

Com uma população de 13 mil e 700 habitantes, o concelho de Sines contabiliza 105 pessoas infetadas pela Covid-19 e há registo de 6 óbitos, todos idosos com mais de 75 anos.

O concelho de Sines é um dos 191 municípios portugueses com medidas excecionais de confinamento devido ao elevado risco de transmissão da Covid-19. Por isso, a população está obrigada ao recolhimento obrigatório das 23h00 às 5h00 nos dias de semana e das 13h00 às 5h00 aos fins-de-semana.

Sines Covid-19 questões sociais recolher obrigatório
Ver comentários