Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Sintomas, propagação e como tratar: Tudo o que precisa de saber sobre a Varíola dos Macacos

Portugal já confirmou vários casos da doença.
Correio da Manhã 18 de Maio de 2022 às 13:03
Há mais casos suspeitos em investigação
Há mais casos suspeitos em investigação FOTO: Getty Images

A Varíola dos Macacos, ou Monkeypox, foi descoberta pela primeira vez em 1958, num grupo de macacos que estava a ser mantido sob observação para pesquisas científicas - daí o nome monkey - macaco. O primeiro caso de infeção por esta doença em seres humanos foi detetado em 1970, na República Democrática do Congo e, desde aí, verificou-se a proliferação de mais casos noutros países africanos. A nível internacional, houve casos registados em países como os Estados Unidos da América, Israel, Singapura e Reino Unido, sobretudo ligados a viagens internacionais ou a importação dos animais.

Não há do local onde se abriga atualmente o vírus mas sabe-se que este pode estar em animais em África que, por sua vez, podem infetar seres humanos.

Quais são os sintomas da Varíola dos Macacos?
Os sintomas da Varíola dos Macacos são semelhantes aos da varíola, mas um pouco mais leves. A principal diferença é a verificação de inchaço nos gânglios linfáticos, o que não acontece na varíola. Além disso, os sintomas desta variante incluem febre, dores de cabeça, inchaços, dores nas costas, dores musculares, inchaço dos gânglios linfáticos, cansaço extremo e sentimento de mau estar geral.

Entre 1 a 3 dias depois do aparecimento da febre, o doente desenvolve uma erupção cutânea que geralmente tem início no rosto e se vai espalhando para outras partes do corpo, sendo as mais comuns as palmas das mãos e as solas dos pés. Esta erupção vai passando por diferentes estágios e, por fim, forma uma crosta que acaba por cair. Estas lesões podem causar cicatrizes.

O período de incubação, desde a infeção até ao aparecimento dos sintomas, é geralmente entre 7 a 14 dias mas pode variar entre 5 a 21 dias. Na maioria dos casos, a infeção costuma desaparecer sozinha e dura entre 14 a 21 dias.

Como se transmite?
O vírus da Varíola dos Macacos pode ser transmitido quando alguém mantém um contacto muito próximo com uma pessoa, animal ou objeto que contenha o vírus. Este pode entrar no corpo através da pele ferida, do sistema respiratório ou, ainda, através da boca, nariz e olhos.

Como se trata?
Ainda não há tratamento para a varíola e a única forma de controlar estes surtos é através da prevenção da infeção. A par disso, a vacinação contra esta doença provou ter 85% de eficácia na prevenção da mesma.

Quão perigoso é?
A maioria dos casos que contrai o vírus é leve e desaparece sozinho depois de umas semanas. No entanto, também podem surgir casos mais graves e já foram relatadas mortes por infeção na África Ocidental.

Quão comuns são os surtos deste vírus?
O vírus foi identificado pela primeira vez em 1970 e, a partir daí, registaram-se alguns surtos esporádicos em 10 países africanos.

Em 2003 houve um surto nos EUA e registou-se um total 81 casos, sem nenhuma morte.

Em 2017, a Nigéria teve o maior surto documentado, com um total de 172 casos suspeitos, onde 75% das vítimas eram homens com idades compreendidas entre os 21 e os 40 anos.

Primeiro casos confirmados em Portugal
Em Portugal, foram agora identificados mais de 20 casos suspeitos de infeção pelo vírus Monkeypox, todos na região de Lisboa e Vale do Tejo, sendo que 14 desses casos já foram confirmados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Os indivíduos, na maioria jovens e todos do sexo masculino, estão estáveis e apresentam lesões ulcerativas.

O Reino Unido também se encontra em alerta, com sete casos de infeção confirmados.

Ver comentários
}