Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Técnicos de emergência pré-hospitalar querem intervenção da tutela na formação

Nos últimos cinco anos foram contratados 240 TEPH pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) que ficaram com a formação por concluir.
Lusa 18 de Maio de 2021 às 09:32
Mais de 90 técnicos de emergência pré-hospitalar do INEM estão há meses há espera de ambulâncias e médicos formadores
Mais de 90 técnicos de emergência pré-hospitalar do INEM estão há meses há espera de ambulâncias e médicos formadores FOTO: CMTV
O Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) vai pedir explicações ao INEM sobre a suspensão da formação que estava a ser ministrada na região Norte e exige intervenção da tutela.

Em declarações à Lusa, o presidente do STEPH, Rui Lázaro, explicou que a formação, que estava a ser ministrada na região Norte, abrangia 16 técnicos que transitaram para a carreira em 2016, sublinhando que desde que foi criada a carreira nenhum Técnico de Emergência Pré-Hospitalar (TEPH) completou a formação.

"Vamos pedir explicações ao INEM e dar conhecimento ao Ministério da Saúde, reforçando com pedido de audiência com caráter de urgência", disse ao responsável, insistindo que considera "inadmissível que esta resposta dada em reação à manifestação realizada no mês passado" seja suspensa "poucos dias depois" de começar e sem previsão de reinício.

No mês passado, o STEPH promoveu uma manifestação em Lisboa para, entre outras matérias, exigir formação e melhores condições de trabalho para todos os profissionais da carreira.

Na altura, o presidente do STEPH, voltou a insistir na necessidade de melhores condições de trabalho e formação "para que os técnicos de emergência médica pré-hospitalar (TEPH) possam prestar um melhor serviço".

"Já esperámos tempo demais desde que foi publicada a nossa carreira em 2016. Passaram cinco anos e não há um único técnico de emergência médica pré-hospitalar formado", afirmou na altura, Rui Lázaro.

Nos últimos cinco anos foram contratados 240 TEPH pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) que ficaram com a formação por concluir.

Ver comentários