Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Transplante viável com rins de porco feito nos EUA

Órgãos funcionaram 77 horas em homem em morte cerebral.
João Saramago 21 de Janeiro de 2022 às 08:31
Imagem do teste cirúrgico do transplante do rim de um porco num corpo humano
Imagem do teste cirúrgico do transplante do rim de um porco num corpo humano FOTO: Reuters
Dois rins de um porco geneticamente modificados foram transplantados, com sucesso, para o corpo de um homem em morte cerebral não reversível. “Embora o stress fisiológico no corpo não fosse o ambiente ideal para sustentar a função renal, os rins produziram urina e não foram logo rejeitados”, lê-se no documento em que é divulgado o trabalho dos cientistas da universidade norte-americana do Alabama, em Birmingham.

“Fica realmente demonstrado que temos tecnologia capaz para o fazer”, sublinha o cirurgião que coordenou a investigação sobre transplante de órgãos entre diferentes espécies (xenotransplante). “Os rins não mostraram sinais de rejeição hiperaguda. Em 24 horas, o rim direito produziu cerca de 700 mililitros de urina – tanto quanto um adulto médio produz em um dia. O rim esquerdo produziu alguns mililitros no primeiro dia, mas tornou-se mais ativo no segundo”, diz Jayme Locke.

A dificuldade em manter o corpo funcional revelou-se um obstáculo. Os cientistas observaram que os rins desenvolveram pequenos coágulos sanguíneos chamados trombos de fibrina, mas entendem que estes podem ser resultado direto da morte cerebral. O destinatário dos órgãos, Jim Parsons, de 57 anos, estava morto há cinco dias aquando da operação, em setembro último. Cerca de 77 horas após a cirurgia, que correu como previsto, os rins entraram em falência por insuficiência hepática. O procedimento foi batizado de ‘Parsons’, em homenagem ao paciente.
EUA Alabama Birmingham Jim Parsons questões sociais ciência e tecnologia morte saúde
Ver comentários