Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Transportes turísticos do Porto parados, mas há negócios de aluguer de bicicletas

Clientes apostam agora em serviços de entrega de bicicletas em casa e 'renting' de "biclas".
Lusa 22 de Fevereiro de 2021 às 13:38
FOTO: Biclas & Triclas - Rent a Bike and Tours
A maioria dos empresários de transportes turísticos no Porto fecharam os negócios devido à pandemia, mas há quem se reinvente, apostando em serviços de entrega de bicicletas em casa e 'renting' de "biclas" com manutenção incluída.

Longe vão os tempos do trânsito regular do Porto misturado com 'tuk tuk' de inspiração tailandesa, 'riquitós' a lembrar o Vietname, comboios com visitas às caves do vinho do Porto ou helicópteros a sobrevoar os céus, o que levou a Câmara do Porto a avançar, em 2017, com um novo regulamento para o transporte turístico, no sentido de diminuir a pressão na cidade.

Entre a maioria dos negócios encerrados no Porto há quem lute contra a crise e se reinvente, recorrendo ao serviço de 'delivery' (entrega) de bicicletas ao domicílio e ao serviço de 'renting' (aluguer operacional) de bicicletas, algo que já existe no mercado, mas para o ramo automóvel.

No "Biclas & Triclas -- Rent a Bike and Tours", o gerente da loja, José Luís Leitão, conta que quem mais aluga bicicletas são "estudantes Erasmus espanhóis", "casais portugueses" e "grupos de amigos". Mas também já há famílias a recorrer ao serviço.

"Temos feito, ao fim de semana, 'take-away' e 'deliverey' de bicicletas a clientes do Porto, que estão confinados e que querem fazer exercício físico ou dar uma volta sem que a polícia os mande parar, porque os agentes não implicam com as bicicletas", conta José Luís Leitão, referindo que está a alugar ao dia e o custo ronda os 15 euros.

O serviço de 'renting' de bicicletas é uma ideia que José Leitão teve há cerca de dois anos e que, com a pandemia, decidiu pôr em prática, estando mesmo a criar uma página na Internet para a divulgação do negócio, porque quer expandi-lo a cidades como Braga e Aveiro, que têm estudantes Erasmus, revela.

O 'renting' é uma "subscrição mensal para ter a bicicleta em casa e pronta a andar e com a manutenção incluída", explica José Luís Leitão, referindo que se furar um pneu o 'renting' assegura o arranjo.

Com a pandemia e a crise económica, a maioria das empresas de transportes para passeios turísticos do Porto tem as portas encerradas, como é o caso da Cityrama, do Grupo Barraqueiro, com os 10 autocarros 'sightseeing' (panorâmicos) - vendidos pela Mystic Invest da Douro Azul em 2018 - estacionados.

"Uma vez que se está num período de confinamento e não há turismo na cidade do Porto os autocarros estão parados", conta fonte do Grupo Barraqueiro.

A Helitours, agência de viagens de helicópteros no Porto do empresário Mário Ferreira, da Douro Azul, cessou a atividade em 2020, deixando de realizar voos turísticos pelo Norte de Portugal.

O comboio turístico 'Magic Train' também desativou o negócio em março de 2020, deixando de realizar passeios na cidade do Porto e Gaia, com visita a caves do Vinho do Porto com provas vínicas, conta Artur Araújo, referindo que no último ano apenas reativou atividade entre julho e setembro.

A Tuktour Porto tem parados, há quase um ano, 10 'tuk tuk', 50 bicicletas elétricas, 20 'segways' e oito 'go-cars'.

"Estamos fechados e sem atividade devido às restrições, com os 11 trabalhadores todos em 'lay-off'", relata uma funcionária da Tuktours Porto, referindo que no verão de 2020 ainda conseguiram ter os serviços mínimos, mas com quebras superiores a 70% em relação ao período homólogo de 2019.

A Raditáxis, Cooperativa dos Rádio-Táxis do Porto, considerada a maior central de táxis da zona Norte e a segunda maior em Portugal, registou quebras de 90% no primeiro confinamento. Na segunda vaga regista quebras de 70% nas viagens.

"O táxi foi um dos setores mais afetados pela pandemia do novo coronavírus, estando a passar pelo momento mais difícil da sua história", considerou o presidente da Raditáxis, Agostinho Seixas.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.441.926 mortos no mundo. Em Portugal morreram mais de 15 mi pessoas.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Erasmus Porto Grupo Barraqueiro José Luís Leitão Douro Azul Norte de Portugal
Ver comentários