Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
2

100 dias de leilão 5G rendem 318 milhões de euros

Encaixe do Estado já ultrapassou em 165 milhões o valor indicativo de 237,9 milhões.
Sónia Dias 4 de Junho de 2021 às 08:27
Leilão do 5G abriu nova guerra entre a Anacom e as operadoras de telecomunicações Altice (Meo), Nos e Vodafone
Leilão do 5G abriu nova guerra entre a Anacom e as operadoras de telecomunicações Altice (Meo), Nos e Vodafone FOTO: Bill Oxford
O leilão principal do 5G (quinta geração móvel) dura há quase cincos meses e continua sem data prevista para terminar - hoje chega aos 100 dias. O valor das propostas dos operadores já totaliza 318,7 milhões de euros, o que significa que o leilão já garante ao Estado um valor 165 milhões acima do que o esperado com base nos preços de referência (237,9 milhões), de acordo com os resultados divulgados pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom). Isto se contabilizada a licitação dos entrantes, de 84,3 milhões.

A atribuição das licenças 5G esteve prevista para o 1º trimestre, tendo a 8 de abril o regulador anunciado um procedimento de alteração do regulamento para acelerar o leilão, medida criticada pelas operadores. Na 2ª feira, a Anacom aprovou um projeto de alteração para aumentar o número diário de rondas da licitação. A decisão "permitirá imprimir maior celeridade ao leilão sem afetar as estratégias dos licitantes, tornando viável a realização de 12 rondas diárias".

A Vodafone considera que as alterações do regulamento do leilão 5G são, "mais uma vez, uma prova do autoritarismo" do regulador e admite "recorrer legalmente" das mesmas se vierem a concretizar-se. Já a Nos lamenta "ver o único responsável pelo atraso do País no 5G tentar atirar para outros responsabilidades" que são "exclusivamente" do regulador, e a Altice disse ser "completamente unilateral" e "abusiva" a proposta de alteração ao regulamento, contra a qual a dona da Meo "não deixará de se pronunciar".
Ver comentários