Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
2

FPF paga 1,5 milhões a empresa espanhola por video-árbitro

Federação Portuguesa de Futebol adjudica sistema por cinco temporadas à Mediapro Investimento.
Hugo Real e Octávio Lopes 3 de Agosto de 2017 às 08:32
Imagens captadas nos estádios vão ser enviadas para o centro que será construído na sede da Federação
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Imagens captadas nos estádios vão ser enviadas para o centro que será construído na sede da Federação
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Imagens captadas nos estádios vão ser enviadas para o centro que será construído na sede da Federação
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
Vídeo-árbitro
A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) assinou um contrato com o grupo espanhol Mediapro, que vai ficar responsável pelo sistema de vídeo-árbitro durante as próximas cinco épocas e, apurou o CM, vai pagar 1,5 milhões de euros (300 mil por temporada).

A Mediapro revelou que foi escolhida pela FPF como "fornecedora oficial" desta tecnologia, e vai disponibilizar meios técnicos e humanos para "assegurar o serviço em todos os estádios de Portugal".

Para este processo, o grupo, que já recebeu a homologação da FIFA para prestar este serviço, adianta que vai investir um milhão de euros nas instalações do VAR (Video Assistence Referee), cujo centro ficará localizado na sede da FPF, na Cidade do Futebol, em Lisboa. Esse centro, explica a Mediapro, vai receber o sinal enviado das câmaras instaladas nos estádios.

A Mediapro está presente em Portugal há diversos anos e detém empresas como a MediaLuso, wTVision, Omnicam4Sky, Media Burst, Get Set, Full Zoom e CLS.

A partir desta época, o vídeo-árbitro vai estar presente em todos os jogos do campeonato nacional e poderá ser utilizado em quatro situações de jogo: golos (quando há uma falta ou fora de jogo num lance de golo); penáltis (numa decisão errada na marcação ou não atribuição de um penálti); cartões vermelhos (sempre que o árbitro não mostre o cartão na ocasião devida); e identidades trocadas (quando é sancionado o jogador errado).
Ver comentários