Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
9

Mário Ferreira "não tem idoneidade para gerir" empresas de media, diz a direção do Correio da Manhã e CMTV

Presidente da Media Capital considerou "fundamental" que o Sindicato dos Jornalistas e a Comissão da Carteira "se pronunciem" sobre notícias do grupo Cofina.
Lusa 13 de Janeiro de 2021 às 18:20
Mário Ferreira determinou, em conluio com os espanhóis da Prisa, a reconfiguração do Conselho de Administração
Mário Ferreira determinou, em conluio com os espanhóis da Prisa, a reconfiguração do Conselho de Administração FOTO: Lusa
A direção do CM/CMTV afirmou esta quarta-feira que o empresário Mário Ferreira "não tem idoneidade para gerir" empresas de media, depois deste ter considerado "fundamental" a Comissão da Carteira se pronunciar sobre notícias da Cofina que o envolvem.

O presidente da Media Capital disse esta quarta-feira considerar "fundamental" que o Sindicato dos Jornalistas e a Comissão da Carteira "se pronunciem" sobre notícias do grupo Cofina que envolvem o empresário e acionistas da dona da TVI.

Numa nota enviada à Lusa, a direção do Correio da Manhã e da CMTV refere que "o senhor Mário Ferreira com esta campanha contra jornalistas prova que não tem condições para gerir nenhuma empresa detentora de media", salientando que "um dos princípios basilares da democracia é a separação de competências entre os acionistas dos grupos de comunicação social e os conteúdos confiados à redação, com os seus órgãos próprios de decisão".

Ora, "quando um investidor na Media Capital não conhece esse princípio e insiste em não o aprender, não tem idoneidade para gerir nenhum título jornalístico", prossegue a direção dos títulos do grupo liderado por Paulo Fernandes.

"Se atua assim contra jornalistas que não dependem economicamente de si, como será a sua relação com profissionais das empresas que gere", questiona a direção, referindo que "as notícias e as investigações do CM sobre o empresário Mário Ferreira limitam-se a escrutinar as atividades de um empresário que tem poder sobre um bem público (a televisão), que está envolvido num negócio polémico com os Estaleiros de Viana do Castelo".

"É esse escrutínio que compete aos jornalistas que continuaremos a fazer, é apenas o nosso trabalho", remata a direção.

"Desde o início da operação de compra da TVI por investidores portugueses, que adquiriram as participações à Prisa, que vêm sendo publicadas várias centenas de 'notícias', aparentemente de forma orquestrada, a insultar, a denegrir e a fazer insinuações sobre a TVI, a Media Capital, Mário Ferreira e os restantes acionistas, nos meios de comunicação do grupo Cofina", afirmou esta quarta-feira, em comunicado, Mário Ferreira, que através da Pluris Investments detém 30,22% da Media Capital.

Ver comentários