Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
8

Redes sociais querem proteger minorias na publicidade

Anúncios vão deixar de ser direcionados por critérios de raça, etnia ou orientação sexual.
Vanessa Fidalgo 16 de Novembro de 2021 às 08:25
Facebook, Instagram e Messenger vão ser afetados a partir de 19 de janeiro
Facebook, Instagram e Messenger vão ser afetados a partir de 19 de janeiro FOTO: D.R.
A empresa-mãe do Facebook e do Instagram, a Meta, anunciou que vai deixar de permitir que os anunciantes direcionem os anúncios com base em critérios como a raça, a etnia, as crenças políticas ou religiosas, questões de saúde ou de orientação sexual, de forma a proteger os grupos mais sensíveis.

A novidade, que entra em vigor a 19 de janeiro de 2022, foi avançada publicamente por Graham Mudd, vice-presidente da Meta para a área de marketing, que explicou que a empresa ouviu “as preocupações dos especialistas sobre o facto de estas opções de segmentação poderem ser usadas de forma a produzirem experiências negativas nas pessoas que integram grupos menos representados”.

O responsável lamentou o impacto que a mudança terá em alguns negócios, que usam os critérios para criar uma experiência positiva nos utilizadores, mas considerou que a decisão é “a mais correta”.

Esta alteração não significa que os anúncios associados ao Facebook, Instagram ou Messenger (as três plataformas que a partir de janeiro vão obedecer às novas regras) deixam de ser direcionados por perfil de utilizador, apenas que ficará vedada aos anunciantes a possibilidade de associarem as pessoas a determinados grupos, em função das suas preferências pessoais e interações online. Dados como idade, género ou localização continuarão a ser tidos em conta para definir o tipo de anúncio que cada utilizador vê.

Como escapar ao algoritmo do Facebook
A ex-funcionária que denunciou as práticas menos corretas do Facebook, Frances Haugen, diz que há uma forma de os utilizadores não serem tão afetados pelo algoritmo da plataforma e ficarem menos expostos à desinformação e a discursos de ódio. Em vez de deixarem o Facebook ordenar o ‘feed’ de notícias, os utilizadores devem optar pela ordem cronológica. Para isso, é preciso ir ao menu representado por três linhas horizontais e escolher ‘Recentes e Favoritos’.
Ver comentários