Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Porque ainda desvalorizamos a hipoglicemia?

As hipoglicemias são a segunda maior causa de ida às urgências hospitalares das pessoas com diabetes em Portugal. São cerca de um milhão de pessoas. A enfermeira Dulce do Ó explica a importância de vigiar estas alterações.
Por Vanda Marques 11 de Dezembro de 2019 às 16:49

Falamos de pouco açúcar no sangue. Só que as hipoglicemias - que resultam desta baixa concentração dos níveis de glicose no sangue - podem ter consequências graves nas pessoas que têm diabetes. O que acontece é que estes episódios podem surgir por erros na alimentação, na utilização de alguma medicação oral para a diabetes ou excesso de insulina, exercício físico não programado e sem suporte alimentar e/ou consumo excessivo de álcool.

Os casos mais preocupantes são as hipoglicemias noturas, que acontecem quando as pessoas com diabetes não se apercebem do que está a acontecer, podendo até correr risco de vida. Por isso é que a 
campanha "Hipoglicemia. Uma já pode ser demais", criada pela Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal, Federação Portuguesa de Associações de Pessoas com Diabetes, Sociedade Portuguesa de Diabetologia e Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo, com o apoio da Novo Nordisk, quer alertar os cuidados e para a importância de procurar tratamento e ajuda correta. É que como revelam os dados da Associação, "mais de metade das pessoas que vivem com diabetes (55%) raramente ou nunca informam o seu médico acerca dos episódios de hipoglicemia e muitos, com medo, acabam por reduzir a sua dose de insulina sem consultar o médico, o que compromete o controlo glicémico."

A enfermeira coordenadora do Departamento de Estudos Projetos e Ensaios Clínicos na Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal, Dulce do Ó, explica que é "fundamental identificar as causas" das hipoglicemias para desta forma prevenir novos eventos.

Quais os riscos das hipoglicemias?
A hipoglicemia, vulgarmente designada por descida de açúcar no sangue, caracteriza-se pela existência de um valor da glicemia inferior a 70 mg/dl. O grau de risco dos episódios de hipoglicemia depende da gravidade do episódio, do tipo de tratamento realizado e da duração do mesmo. No caso de hipoglicemias severas podem surgir convulsões ou o coma. Atualmente existe a evidência da associação entre a hipoglicemia e a ocorrência de eventos cardiovasculares, como por exemplo o enfarte do miocárdio e a insuficiência cardíaca.

Qual é a probabilidade de uma pessoa com diabetes ter episódios de hipoglicemia? Com que frequência têm hipoglicemias?
A hipoglicemia está amplamente relacionada com a administração de insulina ou de terapêutica oral que estimula a libertação da insulina. As causas mais frequentes são o atraso ou falha de uma refeição, fazer uma refeição pobre em Hidratos de Carbono, aumento da atividade física sem compensar com a alimentação que possa compensar o gasto, não existir o cuidado de reduzir a insulina ou medicação libertadora de insulina. O aumento da frequência das hipoglicemias está relacionado com a ausência de comportamentos preventivos relacionados com a alimentação, atividade física e terapêutica. Estes ajustes são previamente combinados com a equipa de saúde.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

O verdadeiro peso da performance sexual numa relação

“Os homens focam-se na performance, sentem que têm de ser ótimos enquanto amantes e têm que dar prazer, e elas têm de ser sexy e sensuais” Marta Crawford, sexóloga, desmistifica as questões das “deusas” e “deuses” do amor.