Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Trabalhar em casa (com prazer)

Perante o isolamento obrigatório, começou a trabalhar-se a partir de casa num ambiente novo e sem distrações. A época é de reinvenção: de hábitos, de manias e de rotinas. A zona de conforto é um lugar muito agradável, mas nada cresce a partir de lá.
Por Pureza Fleming/MÁXIMA 20 de Janeiro de 2021 às 09:58
Trabalhar em casa (com prazer)
Trabalhar em casa (com prazer) FOTO: Unsplash
Muito se tem escrito acerca do que significa trabalhar-se a partir de casa. Dão-se conselhos e espalham-se truques. Alerta-se para os perigos da procrastinação, essa grande desafiadora de quem trabalha em casa… com atrações e distrações. E assegura-se que há quem possa vir a sofrer muito com a questão do isolamento. Numa Ted Talk acerca do tipo de trabalho remoto, Nicholas Bloom, professor de economia da Universidade de Stanford, na Califórnia, asseverava que existiam dois tipos de trabalho que se faziam a partir de casa: aquele a curto prazo ou ocasional e o de caráter permanente ou em período integral. E referia, ironicamente, que tal seria como "comparar exercícios leves com treinos para uma maratona".

Em 2019, um estudo reuniu 2.500 colaboradores remotos da agência de desenvolvimento de marcas online Buffer e descobriu-se que a solidão era o segundo desafio mais relatado, vivido por 19% dos entrevistados. A conclusão seria que a solidão podia fazer com que as pessoas se sentissem menos motivadas e menos produtivas. Na mesma Ted Talk, Bloom adiantava: "No geral, um período curto de duas a quatro semanas a trabalhar em casa em tempo integral seria económico e pessoalmente penoso, mas suportável. Por outro lado, um período mais longo de dois ou de três meses em tempo integral a trabalhar a partir de casa poderia levar a sérios custos económicos e de saúde."

Estudos à parte, eu não veria as coisas desse modo. São três horas da tarde quando me sento frente ao computador para escrever este texto. Antes disso, realizei uma caminhada (curta) à beira-rio, pratiquei yoga na minha sala, cozinhei (uma refeição saudável), arrumei e limpei algumas partes da casa, conversei com amigas ao telefone, apliquei uma máscara hidratante no rosto e no cabelo, espreitei as redes sociais e tratei de outras questões relacionadas com o trabalho. Neste tempo de confinamento devido ao surto do coronavírus, assim se passam os meus dias. Em tempos normais, também.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Água com gás: saudável ou nem por isso?

Melhora a digestão, pode ajudar a perder peso, e é mais interessante do que a água pura do ponto de vista nutricional, dizem alguns especialistas. Mas nem todos têm a mesma opinião.