Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Uma delícia vinda da Ásia: Conheça as virtudes e tipos de chá

Portugueses foram primeiros europeus a experimentar a bebida produzida a partir das folhas da camellia sinensis.
Por Ana Maria Ribeiro 17 de Junho de 2021 às 01:30
Preparação do chá torna possível a criação de muitas variedades da bebida
Preparação do chá torna possível a criação de muitas variedades da bebida FOTO: João Miguel Rodrigues
Os portugueses foram o primeiro povo europeu a ter contacto com o chá, quando, no século XVI, chegaram ao Japão e se depararam com o uso desta bebida que há muitos séculos era já conhecida – e consumida – na China e na Índia. Não tardou muito até a Europa começar a importar folhas de chá e a bebida se tornar popular, especialmente entre as classes mais abastadas, em França e nos Países Baixos. Pedro Lôbo do Vale, médico de medicina geral e familiar e presidente da Associação Portuguesa de Alimentação Racional e Suplementos Alimentares, lembra que quando falamos de chá é preciso distingui-lo das tisanas, também muito populares nos nossos dias.

"O chá, produzido a partir das folhas da camellia sinensis, tem várias variantes, dependendo do grau de fermentação a que é sujeito, resultando daí o chá preto, verde, vermelho, branco ou oolong. Depois, há as tisanas, grupo onde se incluem o chá de camomila, a erva cidreira, o chá de gengibre e por aí diante", assinala o especialista, que admite que o chá preto seja, talvez, o mais consumido no Ocidente.

Tomar chá, além de um hábito cultural, adquirido na infância, é também uma prática saudável, que se recomenda. Embora também tenha contraindicações.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Mitos e verdades sobre a celulite

Numa era em que o ‘body shaming’ convive com o movimento ‘body positive’, a celulite continua a ser fonte de insegurança. Uma nutricionista explica o que fazer.