Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Teletrabalho, menos atividade física e mais stress: Confinamento provoca aumento das queixas na coluna

Restrições de deslocações e fecho de ginásios levou ao aumento de problemas na coluna vertebral.
Por Edgar Nascimento 15 de Abril de 2021 às 01:30
Teletrabalho
A pandemia transformou o teletrabalho no novo normal para grande parte dos trabalhadores. Atualmente, é obrigatório para funções que o permitam
Teletrabalho
A pandemia transformou o teletrabalho no novo normal para grande parte dos trabalhadores. Atualmente, é obrigatório para funções que o permitam
Teletrabalho
A pandemia transformou o teletrabalho no novo normal para grande parte dos trabalhadores. Atualmente, é obrigatório para funções que o permitam

O confinamento, conjugado com teletrabalho, menor atividade física e mais stress, levou a um aumento de problemas e de queixas relacionadas com a coluna.

"O confinamento imposto pela pandemia gerou queixas de dores na coluna em doentes que anteriormente não tinham problemas ou o agravamento naqueles que já possuíam alguma patologia", explica ao CM Luís Teixeira, ortopedista e cirurgião da coluna e diretor clínico do Spine Center.

O especialista justifica: "O sedentarismo, motivado pelas restrições de deslocação e pelo encerramento de ginásios, aumenta as contraturas musculares paravertebrais, diminui a elasticidade da coluna vertebral e condiciona uma atrofia progressiva dos músculos do tronco", levando ao aumento da dor e incapacidade funcional.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

O verdadeiro peso da performance sexual numa relação

“Os homens focam-se na performance, sentem que têm de ser ótimos enquanto amantes e têm que dar prazer, e elas têm de ser sexy e sensuais” Marta Crawford, sexóloga, desmistifica as questões das “deusas” e “deuses” do amor.