Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Insónias constantes podem aumentar o risco de Alzheimer

Investigadores especulam que a probabilidade de desenvolver esta doença neurodegenerativa aumenta em pessoas que sofrem com problemas de sono.
Por Correio da Manhã 9 de Janeiro de 2020 às 18:06
Insónias
Insónias FOTO: Getty Images
Dois estudos realizados em Barcelona e na Suécia sugerem que quem tem insónias constantes tende a ter mais probabilidades de, no futuro, ser diagnosticado com Alzheimer. De acordo com os investigadores, o desenvolvimento congnitivo pessoal pode sofrer com o passar dos anos devido às horas que um indíviduo pode passar sem dormir. 

A Fundação Pasqual Margall, em Barcelona, Espanha, realizou um estudo que liga as insónias com a doença neurodegenerativa Alzheimer. De acordo com os investigadores o cansaço e a falta de concentração não são as únicas consequências causadas por uma noite mal passada. 

Na realidade as insónias tendem, a longo prazo, a gerar mudanças na substância cerebral onde se encontram os fios que interligam os neurónios uns aos outros. Foram utilizadas 1683 pessoas consideradas saudáveis neste estudo, sendo que 615 sofriam de insónias contantes e percebeu-se que horas por dormir tendem a criar algumas limitações em determinadas zonas do cérebro.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Mitos e verdades sobre a celulite

Numa era em que o ‘body shaming’ convive com o movimento ‘body positive’, a celulite continua a ser fonte de insegurança. Uma nutricionista explica o que fazer.