Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Como a menopausa pode afetar o corpo

Tomámos nota de como o corpo reage no que diz respeito às hormonas, coração, nutrição e ainda sexualmente.
Por Aline Fernandez 18 de Outubro de 2019 às 12:30
FOTO: Pexels

Ao longo da vida, há duas frases que as mulheres ouvem quando estão irritadas e que nunca deveriam ouvir. Se são jovens e se exaltam por algum motivo é porque "devem estar com o período". As mais maduras que estiverem de mau humor "deve ser por causa da menopausa". Ouvir constantemente tais insinuações, além de irritarem ainda mais, contribuem negativamente ao transformar processos naturais em momentos depreciativos.

No dia 18 de outubro celebra-se o Dia da Menopausa, um tema ainda tabu na nossa sociedade, apesar de ser uma fase absolutamente natural pela qual a mulher passa e, com a esperança média de vida a aumentar cada vez mais – agora deveremos chegar aos 83 anos – é um período que ocupará mais de um terço da vida das mulheres.

"Estima-se que 4% da população feminina procure acompanhamento técnico durante a menopausa. Em Portugal, o assunto ainda é tabu e não pode ser", alerta Jorge Sucena, brand-manager da Vichy, a citar indicadores da Sociedade Portuguesa de Ginecologia. Ou seja, está mais do que na hora de compreendermos melhor os seus sintomas e como eles nos podem afetar. Mas, principalmente, está na hora de ver o lado positivo do amadurecimento que o corpo conquista.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

E se pudesse reiniciar o cérebro? Os conselhos de um neurologista

O cérebro humano está a ser gravemente manipulado pelos estímulos da tecnologia e as consequências refletem-se em comportamentos que nos deixam cada vez mais doentes. Em Limpeza Cerebral, o recém lançado livro do neurologista David Perlmutter e do médico internista Austin Perlmutter, reúnem-se técnicas para combater esta realidade.