Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Enfarte do miocárdio pode ser confundido com dores musculares e ansiedade

Doentes só procuram ajuda médica 140 minutos depois dos primeiro sintomas.
Por Miguel Balança 8 de Dezembro de 2019 às 01:30
Enfarte do miocárdio
Enfarte do miocárdio FOTO: iStockPhoto
Um doloroso aperto no peito que poderá estender-se aos braços, costas e pescoço, acompanhado por suores, náuseas e vómitos. A primeira manifestação de Enfarte Agudo do Miocárdio (EAM) é "traiçoeira", pois os sintomas "nem sempre são típicos de um enfarte, podendo ser confundidos com outras patologias, dificultando o seu diagnóstico diferencial", sublinha Sílvia Monteiro, coordenadora da área dos Cuidados Intensivos Cardíacos da Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC).

"Os doentes tendem a reconhecer os sintomas e a procurar os cuidados médicos demasiado tarde, em média 140 minutos após o início dos sintomas, comprometendo de forma definitiva o seu prognóstico. E o diagnóstico precoce e o tratamento imediato do doente são determinantes para salvar o músculo cardíaco e evitar a morte das suas células, reduzindo de forma significativa a taxa de mortalidade e complicações", explica.

A idade é um fator de risco importante - a prevalência de EAM aumenta com a idade. "No entanto, é frequente que os jovens tenham dificuldade em reconhecer os sintomas, atribuídos a dores musculoesquelética ou ansiedade, atrasando a procura de ajuda médica, podendo levar a que o EAM seja mais extenso e associado a mais complicações, incluindo a morte", explica.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

O verdadeiro peso da performance sexual numa relação

“Os homens focam-se na performance, sentem que têm de ser ótimos enquanto amantes e têm que dar prazer, e elas têm de ser sexy e sensuais” Marta Crawford, sexóloga, desmistifica as questões das “deusas” e “deuses” do amor.