Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Vacinas protegem contra quatro estirpes da gripe

Vacinas oferecem proteção com ovos de galinha.
Por Cláudia Machado 9 de Junho de 2018 às 09:52
Conteúdo exclusivo para Assinantes Assine já Se já é assinante faça LOGIN
Exclusivos
Vacinas FOTO: Direitos Reservados
O vírus influenza é responsável, anualmente, por cerca de cinco milhões de casos graves de gripe em todo o Mundo e, desses, 650 mil resultam em morte. Em Portugal, muitas épocas gripais levaram a um pico de mortalidade. Existem vacinas, mas também existem várias estirpes e subtipos do vírus, adicionando imprevisibilidade à luta contra a epidemia. Neste combate, inovação e métodos já comprovados são grandes aliados. E é aqui que entram os ovos de galinha.

Há quase 70 anos que as vacinas da gripe são produzidas com recurso a ovos. É dentro destes que os vírus são incubados. E este método foi o escolhido em França para a produção de uma nova vacina, que se propõe a proteger a população de quatro variantes do vírus influenza.

Um dos principais entraves à prevenção da gripe passa pela sua desvalorização, através de dois 'mitos': não mata e só afeta os idosos e os mais fragilizados. "Pode levar à morte por outras causas", alerta o pneumologista Filipe Froes, referindo-se ao potencial do vírus para gerar complicações e a exacerbação de outras doenças. "Quatro das seis principais causas de morte estão ligadas ao influenza", destaca. O segundo 'mito' cai por terra através dos grupos de maior risco: crianças e idosos, grávidas, imunodeprimidos ou com outras doenças. "Todos nós já pertencemos ou ainda pertencemos a um grupo de risco. Afeta a todos", conclui.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Mitos e verdades sobre a celulite

Numa era em que o ‘body shaming’ convive com o movimento ‘body positive’, a celulite continua a ser fonte de insegurança. Uma nutricionista explica o que fazer.