Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Mieloma, a doença que destrói os ossos

Sintomas podem ser anemia, dores ósseas e insuficiência renal.
Por Elsa Custódio e Edgar Nascimento 30 de Junho de 2019 às 09:15
Mieloma: a doença que destrói ossos
Mieloma: a doença que destrói ossos
Mieloma: a doença que destrói ossos
Mieloma: a doença que destrói ossos
Mieloma: a doença que destrói ossos
Mieloma: a doença que destrói ossos
Mieloma: a doença que destrói ossos
Mieloma: a doença que destrói ossos
Mieloma: a doença que destrói ossos
O mieloma múltiplo é uma doença maligna da medula óssea caracterizada pelo anormal crescimento das células plasmócitos. Em Portugal são descobertos todos os anos 400 a 600 novos casos.

Os sintomas mais frequentes são a anemia, insuficiência renal e intensas dores ósseas. Manuel Abecasis, médico hematologista no Instituto Português de Oncologia de Lisboa, explica que as "propriedades perigosas destas células (plasmócitos) afetam não só o normal funcionamento da medula como produzem uma proteína tóxica ao organismo, que provoca problemas renais. Estas células têm a capacidade de ativar a destruição dos ossos - por isso são frequentes as fraturas em doentes com mieloma".

Ainda não foi desenvolvida uma cura, mas há medicamentos que permitem a estabilização. O transplante de medula óssea é uma opção nos pacientes com menos de 70 anos, que reúnam condições para se submeter à intervenção. A doença atinge sobretudo a faixa etária entre os 50-70 anos. No entanto, existem "doentes bastante mais novos, com 40 anos, e outros mais idosos, embora seja raro", conta Manuel Abecasis.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Água com gás: saudável ou nem por isso?

Melhora a digestão, pode ajudar a perder peso, e é mais interessante do que a água pura do ponto de vista nutricional, dizem alguns especialistas. Mas nem todos têm a mesma opinião.