Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Osteoporose, a doença silenciosa que afeta 800 mil portugueses

Se tem 40 anos e acha que a osteoporose é uma doença dos idosos, está enganado. É a partir desta idade que o metabolismo dos ossos se altera e que se pode evitar o pior: fraturas nos ossos. Faça o teste e descubra se está em risco. 
Por Susana Lúcio 20 de Outubro de 2019 às 08:00
Osteoporose
Osteoporose FOTO: Direitos Reservados

Se perdeu três centímetros de altura pode ter sofrido fraturas nas vértebras, sem ter sentido dor. Prepare-se: tem osteoporose. A doença, que atinge a densidade dos ósseos e os torna quebradiços, afeta cerca de 800 mil portugueses. E todos os anos é responsável por 50 mil fraturas que reduzem a qualidade de vida. A 20 de outubro celebra-se o Dia Mundial da Osteoporose. 

É a partir dos 40 anos que os ossos começam a perder capacidade de regeneração e quando se deve tomar atenção à alimentação e ao exercício físico para fortalecê-los. A prof. Dra. Helena Canhão, especialista em Reumatologia na Nova Medical School da Universidade Nova de Lisboa, explicou-nos como combater a osteoporose. 

O que provoca a osteoporose?
A osteoporose é uma doença óssea metabólica progressiva que diminui a densidade óssea (massa óssea por unidade de volume), com deterioração da estrutura óssea. À medida que a idade avança, o processo contínuo e obrigatório de remodelação óssea (indispensável e desejável num osso normal) realiza-se de uma forma desequilibrada: isto é, o osso reabsorvido é superior ao osso formado. Isto conduz a uma estrutura óssea composta por trabéculas [estrutura linear do osso esponjoso]muito finas, que se tornam mais frágeis e descontínuas. 

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Mitos e verdades sobre a celulite

Numa era em que o ‘body shaming’ convive com o movimento ‘body positive’, a celulite continua a ser fonte de insegurança. Uma nutricionista explica o que fazer.