Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Sepsis pode causar a morte

Doença é provocada pela infeção de germes, como a pneumonia ou uma infeção urinária.
Por Susana Lúcio 13 de Outubro de 2019 às 20:53

Quando o corpo é infectado por bactérias, vírus ou fungos o nosso organismo reage e o sistema imunitário tenta eliminá-los. Mas, às vezes, o processo de autodefesa pode provocar alterações graves no funcionamento de órgãos como o coração, o cérebro, o fígado, os rins e os pulmões e levar a uma inflamação generalizada, chamada sepsis. Todos os anos, a doença afecta cerca de 30 milhões de pessoas no mundo, seis milhões acabam mesmo por morrer. Paulo Mergulhão, médico dos Cuidados Intensivos do Centro Hospitalar de São João, explica porque os casos de sepsis estão a aumentar.  

A sepsis acontece quando o sistema imunitário luta contra uma infecção. Como é que isso pode provocar a falência de vários órgãos?
Os mecanismos relevantes não estão completamente esclarecidos e são muito complexos. Isto é um dos factores que tem limitado o desenvolvimento de terapêuticas eficazes na modulação desta resposta desregulada do organismo a uma infecção, que não envolve apenas o sistema imune

O número de casos está a aumentar no mundo. Porquê?
O aumento do número de casos prende-se em grande parte com o progresso da medicina que tem vindo a permitir prolongar a vida com situações crónicas com a diabetes, doenças auto-imunes ou diversos tipos de cancro. Em muitos casos as intervenções necessárias comprometem de alguma forma o sistema imune e deixam-nos mais vulneráveis a infecções.

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Mitos e verdades sobre a celulite

Numa era em que o ‘body shaming’ convive com o movimento ‘body positive’, a celulite continua a ser fonte de insegurança. Uma nutricionista explica o que fazer.