Barra Cofina
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

Já ouviu falar em transtorno disfórico pré-menstrual?

Depois de vários anos à procura de explicações para uma angústia mensal que a transformava noutra pessoa, a jornalista Rita Avelar descobriu que há razões que a razão desconhece porque as doenças de saúde mental são mesmo assim. A resposta chegou com a pandemia, mas a viagem de autodescoberta ainda agora começou.
Por Rita Avelar/Máxima 17 de Março de 2021 às 16:30
FOTO: Pexels

Escrevo este texto enquanto me debato com uma insónia, da espécie que faz com que deixemos de olhar para o relógio para saber quantas horas ainda sobram para dormir antes que o dia recomece no seu esplendor. É um dos efeitos da medicação, se tomada fora de horas, alertou o médico. Mas life happens. Outra vez. 

Começo por fixar bem o título, para me convencer da importância – que ultrapassa a experiência na primeira pessoa – de escrever sobre transtorno disfórico pré-menstrual, ou TDPM. Sim, é próximo da sigla que todas conhecemos, mas o "D" a mais faz uma pequena (gigante) diferença. Durante vários meses perguntei-me qual seria a melhor definição desta sigla, para que fosse de imediata compreensão. Desisti, porque nada parecia fazer jus ao estado psicológico que este transtorno, que afeta cerca de 5,5% das mulheres em idade fértil segundo a IAPMD (The International Association For Premenstrual Disorders) – que, by the way, tem um chat em tempo real para quem está em momentos de desespero ou simplesmente quer conversar sobre o problema.

Conformei-me em usar a definição desta associação internacional que se dedica a informar sobre a síndrome, e que a sumariza assim: "A TDPM é um distúrbio de humor cíclico de origem hormonal, com sintomas que surgem durante a fase pré-menstrual (ou luteal, do ciclo menstrual) e que se evapora dentro de poucos dias após a menstruação." Embora esteja diretamente ligada ao ciclo menstrual, não consiste num desequilíbrio hormonal. Do ponto de vista fisiológico, é uma reação considerada "negativamente grave" que ocorre no cérebro, devido "ao aumento e queda naturais do estrogénio e da progesterona." E o resto da definição pode ser lida aqui

Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso sem limites em todos os dispositivos Assinatura válida na APP Correio da Manhã Newsletters exclusivas E-paper antecipado no Quiosque Ofertas e descontos do Clube CM+
Assine já! 1€ no 1º mês
Relacionadas
Notícias Recomendadas